IMG_2838

Própria de clima temperado, nativa dos Estados Unidos, a nogueira-pecã (ou pecan) foi introduzida no Brasil em 1910, adaptando-se muito bem a região Sul do país.

Apesar de utilizada como sombreamento para o rebanho e produtora de matéria orgânica para outras árvores, a nogueira produz fartura para os pequenos agricultores – uma nogueira de 4 anos produz até 25Kg de nozes – que passaram a cultivá-la junto com outras culturas, aumentando a renda familiar.

A colheita é feita no mês de junho, podendo estender-se até julho – logo, o melhor momento para comprar o produto nacional em ótima qualidade e fugir dos preços abusivos das nozes importadas.

Muito bem guardada dentro de uma casca dura e resistente, as nozes pecan possuem um percentual de 70% de gordura, por isso, para evitar a sua rancificação devem ser mantidas refrigeradas em pote hermético por até 3 meses, ou congeladas por até 6 meses. À temperatura ambiente devem ser mantidas em embalagens à vácuo, em ambiente seco e escuro, por até 6 meses, ou potes herméticos por 1 mês.

Apesar de chamadas de nozes, os frutos da nogueira são na verdade drupas – uma fruta que assim como os pêssegos, possuem apenas uma grande semente, com a diferença de que a pecan não possui uma polpa carnuda, apenas a semente comestível.

Apesar do seu alto valor calórico, são fundamentais para a saúde, possuindo propriedades antioxidantes – vitamina E – e ômega 6 e 9. Seu sabor é mais delicado sem o amargor característico das nozes mariposa, e vai bem com uma série de preparações doces, como a tradicional e deliciosa Torta pecan, típica da região Sul dos Estados Unidos.

IMG_2826