Responda rápido: Qual a sua fruta favorita?

E agora: Como costuma ser a sua salada?

É bem provável que você tenha pensado em vegetais e frutas bem comuns como a banana, a maçã, o alface, o tomate, a cenoura. Ok, ter esses alimentos em mente já é bom sinal. O problema é que não vamos muito além disso…

Considere que temos no Brasil cerca de 8 mil plantas que poderiam ser comidas, mas pouca gente sabe! Ao mesmo tempo em que a busca por alimentos saudáveis, orgânicos, in natura, é tão intensa, estamos de olhos vendados sobre a quantidade e a variedade de vegetais espalhados pelas cidades e que são ignorados pela maioria das pessoas. Ao mesmo tempo em que a alta dos preços nas feiras é tão comentada, e que o desperdício de alimento é tão condenado, estamos deixando frutas apodrecerem e caírem dos pés sem nenhuma valorização ou aproveitamento.

Talvez nós estejamos apressados demais com nossos compromissos, ou quem sabe ocupados demais com nossos celulares, mas as ruas estão cheias de alimentos que passam despercebidos. É claro que o espaço urbano não é uma grande fonte de plantas comestíveis, no entanto isso não anula a possibilidade de encontrarmos mangueiras, jaqueiras ou abacateiros carregados pelas cidades e, junto dessas, pés de oiti, grumixamas, caferanas, e tantas outras que não fazem parte do cardápio convencional.

O reconhecimento dessas variedades vegetais, assim como o aproveitamento das mesmas, vinha se perdendo nas últimas décadas, mas estão felizmente sendo regatados por novas tendências alimentares. A crescente demanda por qualidade de vida traz consigo cuidados com a saúde que se iniciam pela alimentação, mas transcendem as práticas comuns de cuidado com o corpo. Pensar em bem estar na atual conjuntura compreende muito mais que cuidados com a saúde humana, inclui preservar os recursos naturais que se tornam cada vez mais escassos e que continuam sendo fundamentais para a manutenção dos espaços verdes, matas, florestas do nosso país.

Nossa saúde depende da saúde do nosso planeta, e é isso que vamos abordar aqui na minha coluna no Essência. Espero poder compartilhar o que eu sei sobre alimentos não tão convencionais e, estimular uma nova mentalidade sobre a escolha dos ingredientes que nos levam a uma vida mais saudável e muito saborosa.

foto: Major Gomes por Joyce Galvão

Beatriz Carvalho

Beatriz Carvalho é geógrafa, especialista em Educação Ambiental e Planejamento Urbano e Regional. Fundadora do Projeto Mato no Prato, trabalha atualmente com a difusão das PANCs, promovendo a segurança alimentar, a etnobotânica e a preservação ambiental.